Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Logo de aniversário de 60 anos
quarta 16 de junho de 2021

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 16/06/2021
EDP SEGURANÇA
MAGIC CITY - CAMPANHA SOLIDÁRIA

Com valor de até R$ 180, venda de vacinas contra Covid ficará para 2022

Valores serão semelhantes aos da vacina contra a gripe H1N1

Por Daniel Marques - de Suzano10 MAI 2021 - 22h07
Comercialização somente em 2022, estima CevanFoto: Arquivo/DS
O Centro de Vacinação de Suzano (Cevan) estima que as doses de vacinas contra a Covid-19 serão comercializadas pelo setor privado apenas em 2022. A previsão da diretora da unidade, Valéria Genovezzi, é de que os valores sejam semelhantes aos da vacina contra a gripe H1N1, com doses variando entre R$ 150 e R$ 180.
 
“Não acredito que o valor vá passar disso. Acho que ela não será uma vacina inacessível na rede privada. A previsão é de que chegue ao consumidor final pelo mesmo valor que a vacina da gripe H1N1 é comercializada hoje. É uma vacina simples e barata. Não tem muito segredo”, disse a diretora, em entrevista ao DS.
 
No entanto, segundo ela, esse cenário de venda de vacinas à população deve demorar para ser visto. O Cevan acredita que as aquisições e vendas poderão ser feitas apenas no ano que vem, dada a dificuldade dos governos federal e estadual para conseguir mais vacinas aos grupos que estão sendo imunizados atualmente.
 
“Não há a menor possibilidade de a rede privada comprar vacinas e vender neste ano. Não temos expectativa, até porque as regras que o governo está colocando são bastante restritivas para o setor privado comercializar vacinas contra a Covid-19. Não há vacinas nem para ele (governo)”, salientou.
 
A diretora ainda acrescentou que, a partir do momento em que as doses puderem ser vendidas, qualquer pessoa poderá comprar.
 
“A Cevan já faz grandes campanhas de vacinação, e nossa agenda para a da Covid-19 será igual. Não haverá público como preferência. Venderemos para quem quiser comprar”, disse.
 
O DS questionou o Ministério da Saúde sobre uma previsão para o início de comercialização por parte do setor privado, mas até o fechamento da reportagem, não houve resposta.
 
Enquanto o setor privado não pode comercializar vacinas, a população segue contando com os esforços dos governos federal e estadual para se imunizar. Na última sexta-feira (7), o Alto Tietê recebeu mais 35,3 mil doses de vacinas.
 
Delas, 32,3 mil estão sendo usadas para imunizar pessoas com deficiência e comorbidades. O restante está sendo destinado aos trabalhadores da Educação que têm acima de 47 anos. Eles estão recebendo a segunda dose com a remessa.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias