Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 31 de maio de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 30/05/2020
PMMC RETOMADA
DIARIO DE SUZANO SOLIDÁRIO
PMMC HOSPITAL DE CAMPANHA

Parte dos estabelecimentos reabre em Suzano durante quarentena

Prefeitura da cidade determinou reabertura de lojas de tintas, materiais para construção, lavanderias e outros

Por Daniel Marques - de Suzano31 MAR 2020 - 20h50
Comércio de Suzano abriu as portas ontem após decreto permitindo funcionamento de alguns segmentosFoto: Regiane Bento/Divulgação
Alguns comércios voltaram a funcionar na manhã de ontem em Suzano. Casas de materiais para construção, lava-rápidos, lavanderias, lojas de produtos de higiene e limpeza, lojas de tintas e estacionamentos próximos de unidades de saúde foram autorizados a reabrir pela Prefeitura de Suzano.
 
A decisão foi comemorada por funcionários e proprietários que, após uma semana, puderam ver novamente clientes em seus estabelecimentos.
 
De todas as lojas visitadas pelo DS, as que tiveram melhor movimento foram as que vendem tintas. Para efeito de comparação, o fluxo de clientes é "parecido com o visto em dias normais". É o que diz a balconista de uma loja de tintas automotivas, Kátia Pires, 34.
 
Ela conta que os clientes da loja, que fica na Avenida Antônio Marques Figueira, passaram a quarentena ligando para as filiais de Mogi, para que as tintas fossem entregues. Agora, com a nova determinação, os compradores voltaram a frequentar o estabelecimento.
 
“Não teve queda, muito pelo contrário: quando avisamos que a loja ia abrir, os clientes apareceram como em dias normais. Trabalhamos com linha automotiva, então temos muitos clientes de oficinas”, diz.
 
Agora que voltou a trabalhar, Kátia terá que tomar cuidado com a família por conta do coronavírus. “A gente precisa se cuidar, mas também precisa trabalhar. Entendo todos os lados, mas temos que unir os dois. As dívidas não param, mas também fico preocupada com minha mãe, que tem 66 anos e com meu filho, de três. Eles não têm contato (com as pessoas na rua), mas eu tenho, e convivo com eles todo o dia”, conta.
 
Anderson Alves de Albuquerque, 39, é gerente de uma loja de tintas para paredes. Ele diz que o movimento está intenso no estabelecimento e que tem tomado os cuidados necessários para prevenir o novo vírus. 
 
“Temos álcool em gel e luvas. É uma situação que favorece o comerciante (a abertura das lojas), mas coloca o público em risco. Estamos nos prevenindo”, conta o comerciante, que também justificou o grande movimento na loja. “O povo está em casa, então aproveita pra fazer manutenção”.
 
“É um pouco complicado no começo. Estamos permitindo a entrada de poucas pessoas por vez, para evitar tumulto. Se todos os comércios controlassem assim, poderiam reabrir. Mas quanto menos as pessoas saírem para as ruas, melhor”, conta o sócio de uma loja de materiais para construção, Carlos Higashi, 61.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias