Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quinta 23 de Novembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 23/11/2017
mrv

Suzano recebe 58 pedidos de adoção entre janeiro de 2014 e maio deste ano

07 JUN 2015 - 08h00

De 1º de janeiro até 28 de maio de maio deste ano, 58 pessoas entraram com pedido de adoção no Fórum de Suzano. Os dados são da vara da infância e da juventude do município, que apontam também outros 31 processos de adoção distribuídos no mesmo período do ano passado. Em todo o País, 5.615 crianças e adolescente aguardam para serem adotadas, segundo dados do Cadastro Nacional de Adoção, vinculado ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Já o número de pretendentes é alto.

As regiões com maior fila de espera é a Sudeste e Sul, com 2.595 e 1.623 respectivamente. Enquanto esperam pela adoção, as crianças e adolescentes são encaminhadas para centros de acolhimentos institucionais, que na maioria dos casos, recebem incentivos ou financiamentos das prefeituras.

Suzano dispõe de um total de 60 vagas para acolhimento, em três entidades assistenciais. Sendo que apenas 40 estão ocupadas. O investimento mensal, de acordo com a Prefeitura é de R$ 140 mil.

Não há tempo mínimo ou máximo para a tramitação dos processos desta natureza. Isso porque o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) prevê que todos os recursos de manutenção da criança ou adolescente na família natural ou extensa sejam esgotados. Entram na análise dos magistrados, os casos em que crianças foram retiradas do seio familiar por sofrerem maus tratos, exploração de menores, abusos, evasão escolar abandonos entre outros.

Em todos os casos deve ser verificado se há pessoas da família interessadas na adoção. Com exceção dos avós que não podem adotar. Neste caso, é feito o procedimento de transferência de tutela. Se constatada a ausência deles, a preferência pela adoção é dada aos tios.

O processo de escolha não inclui pesquisas socioeconômicas como critério.

Nos casos onde houve encaminhamento para abrigos ou instituições, algumas regras devem ser seguidas. Por exemplo, crianças com deficiência ou doença crônica têm prioridade na tramitação dos processos. Para os interessados em adotar uma criança é necessário estar inscrito no cadastro de pretendentes. São analisados os perfis psicossociais entre outros.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias