Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 06 de dezembro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 05/12/2019
Evatânia Psicopedagoga
COLÉGIO PLENITUDE
SOLIDARIO2019

Valor do aluguel pode variar até 87,5% em Suzano, aponta Acoris

23 AGO 2015 - 08h01
O preço das locações das casas de dois dormitórios em Suzano pode variar até 87,5%, dependendo da localização e do estado de conservação do imóvel. De acordo com o presidente da Associação dos Corretores de Imóveis (Acoris), Ademilson Alves Bernardes, o aluguel das residências com dois quartos, sala, cozinha e banheiro podem variar de R$ 600 a R$1,5 mil, em Suzano. Os apartamentos seguem a mesma linha, porém, além do valor do aluguel, o locatário deve levar em conta o valor que precisará desembolsar com o condomínio.

"São várias as explicações para a variação dos preços. As principais são a localização e o estado da casa. O aluguel de uma casa na periferia da cidade vai ser muito mais em conta do que de um imóvel localizado no quadrilátero central, por exemplo. A conservação e o acabamento da residência também interferem no valor", explicou.

Em Suzano, o aluguel mais barato é o da região periférica da cidade como nos bairros Miguel Badra e de Palmeiras. Bernardes destacou que os valores das casas de dois dormitórios nestes locais giram em torno dos R$ 600. Já em bairros da região central, como Jardim Imperador, Vila Amorim e Vila Figueira, por exemplo, os aluguéis variam entre R$ 800 e R$ 1 mil. O acabamento das casas contam muito para estimar o valor.

Já os imóveis localizados nas ruas que estão no equilátero central de Suzano como nas avenidas Antonio Marques Figueira e Armando Salles de Oliveira e nas ruas Doutor Prudente de Moraes, Regina Cabalau Mendonça, os valores encontrados são acima dos R$ 1 mil, podendo chegar até R$ 1,5 mil.

Segundo o presidente da Acoris, o mercado de locação será um setor que sempre terá procura. Em contrapartida, Bernardes afirma que nos últimos três anos a procura por esses imóveis caiu cerca de 30%. O principal motivo apontado foi o acesso que a população com renda na faixa dos R$ 3 mil teve aos financiamentos para a compra.

"Diferentemente dos anos anteriores, onde os imóveis, sejam casas ou apartamentos, com aluguel na faixa dos R$ 800 saiam rapidamente, onde precisávamos trabalhar, inclusive, com filas de espera. Atualmente o mercado apresenta uma boa demanda deste perfil".

QUEDA DE PREÇOS

A alta dos preços nos últimos anos resultou em uma retração no setor imobiliário fazendo com que as vendas caíssem de maneira considerável, vindo de encontro com a situação econômica que o País atravessa inibindo ainda mais os investimentos neste setor.

A tendência e a expectativa são de que nos próximos meses os valores dos imóveis comecem a baixar tanto para aluguel, quanto para compra e venda.

"A situação instável do país faz com que o consumidor comece a ter que lidar com orçamento mais apertado. Cauteloso, ele vive um momento onde teme em investir no mercado imobiliário tendo em vista o preço inflacionado. Com isso o setor tem perdido a atratividade dos últimos anos. Então para reconquistar o investidor, os proprietários dos imóveis têm que ter a consciência de readequar os preços a realidade atual do País para que os imóveis se tornem atrativo para possível negociação", disse.
 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias