Envie seu vídeo(11) 97569-1373
Sintonize nossa Rádio101.5 FMClique e ouça ao vivo
Quarta 13 de Dezembro de 2017

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 12/12/2017
mrv

Policial do Choque é enterrado em Itaquá

22 JUL 2015 - 08h01

O cabo Fabiano de Souza Fernandes, de 40 anos, foi enterrado ontem no Cemitério da Paz, na Vila Vírginia, em Itaquaquecetuba. Fernandes estava de folga e transportava malotes de dinheiro de uma loja de roupas, quando quatro criminosos atiraram contra o carro blindado em que estava. Além dele, outra pessoa que estava no veículo morreu. O crime aconteceu na manhã de segunda-feira, em Santo Amaro, Zona Sul de São Paulo. O policial morava em Itaquá, mas trabalhava no 2° Batalhão de Choque da Capital.

Fernandes estava na polícia há 19 anos e, atualmente, trabalhava no Batalhão de Choque.Nas horas vagas, fazia a escolta de valores para uma loja de roupas. Na manhã de segunda-feira, o policial e outros dois homens transportavam malotes de dinheiro quando quatro criminosos, em duas motocicletas, chegaram atirando. Com os disparos, foram atingidos duas vezes na cabeça, enquanto a terceira vítima ficou apenas ferida.

Sensibilizado, o subcomandante do Choque, major Ricardo Xavier, contou ao DS que a perda de Fernandes é imensurável. "Ele era um excelente policial e um amigo querido por todos do Batalhão. A partida dele é uma grande perda para nós, que diariamente convivíamos com ele e sabíamos dos desafios enfrentados".

O DS acompanhou o cortejo que levou o corpo de Fernandes até o túmulo onde foi enterrado. Comovidos pela perda do militar, policiais do Choque, da Ronda Ostensiva Tobias de Aguiar (Rota) e militares do 35° Batalhão de Polícia Militar Metropolitana (BPM/M) prestaram as últimas homenagens.

"Estamos acompanhando de perto as investigações para localizar os autores neste crime hediondo que ceifou a vida dele. Já conseguimos identificar a fisionomia dos criminosos, por meio das filmagens de câmeras de vigilâncias. Mas, por elas serem de baixa qualidade, ainda não é possível identificar as placas", reiterou o major. O caso será investigado pelo Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias