Envie seu vídeo(11) 4745-6900
quinta 30 de junho de 2022

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 30/06/2022
PREFEITURA DE MOGI CAMPANHA: PRO MULHER 2022 PI 50288
PREFEITURA DE MOGI CAMPANHA: CENTRO DE LUTAS PI 50364
CONSTRUTORA PATRIANI
CAMPANHA INVERNO SOLIDÁRIO PI 50130
CAMPANHA INVERNO SOLIDÁRIO PI 50130

Capela de hospital que recebeu alunos após ataque realiza missa

Hospital também realizou um minuto de silêncio. Estudantes correram para unidade durante ataque

Por Daniel Marques - da Região13 MAR 2020 - 22h16
Encontrou contou com diretores, médicos e funcionários que estavam presentes no dia do ataque e auxiliaram nos primeiros atendimentos aos alunosFoto: Regiane Bento/Divulgação
Uma missa em homenagem às vítimas do massacre na Raul Brasil foi realizada na manhã de ontem na capela do Hospital Santa Maria, em Suzano. A unidade fica há cerca de 300 metros da escola e foi o local onde muitos estudantes buscaram ajuda durante a fuga. A cerimônia contou com diretores, médicos e funcionários que estavam presentes no dia do ataque e auxiliaram nos primeiros atendimentos aos alunos. 
 
Primeiro, os presentes realizaram um minuto de silêncio em frente ao hospital, em tributo às vítimas do massacre. Cada integrante presente segurou uma rosa branca e muitos se emocionaram ao relembrarem o dia fatídico.
 
Logo depois, todos foram até a capela do hospital, que fica dentro do prédio principal da unidade, onde participaram da missa realizada pelo Padre Carmine Mosca.
 
"Foi aqui que os alunos feridos recuperaram a vida, onde sentiram que o apoio do hospital foi muito importante para que eles pudessem sair daquele risco. A memória sempre cai no primeiro apoio, que foi o do hospital. Por isso, é muito importante fazer (a missa) aqui. A vida tem um significado maior do que aquilo que imaginamos", disse o padre.
 
Memória viva
 
A diretora médica Maria Esther Tormim e a gerente de enfermagem Fernanda Reple relembraram do caso. Elas, junto com a doutora Débora Nogueira, precisaram mobilizar o hospital para que os atendimentos fossem realizados.
 
"Era um dia normal, eu estava indo viajar. Acordei, liguei na televisão e estava passando em todos os canais. Meu telefone começou a tocar e eu vim direto para cá. Quando chegamos, tinha uma situação completamente atípica", disse Maria Esther.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias