Envie seu vídeo(11) 4745-6900
terça 13 de abril de 2021

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 11/04/2021
CENTRO MÉDICO
São Paulo Secretaria da Educação
Magic City
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Pedidos de falências caem na região, mas OAB vê números ‘subnotificados’

Segundo dados divulgados pelo TJ-SP, em 2019, pelo menos 45 empresas pediram falência no Alto Tietê

Por Matheus Cruz - de Suzano07 MAR 2021 - 12h00
Pedidos de falência são feitos na Justiça da cidadeFoto: Isabela Oliveira/DS
Levantamento mostra que o número de pedidos de falência nas cidades do Alto Tietê registrou queda de 64,44% no comparativo entre 2019 e 2020. Segundo dados divulgados pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), em 2019, pelo menos 45 empresas pediram falência, enquanto em 2020 o número caiu para 16 pedidos. O pedido de falência ocorre quando uma empresa entra em endividamentos e os lucros não são mais suficientes para quitar as dívidas. Essa condição jurídica permite o afastamento do empresário devedor, que é substituído por um administrador judicial, nomeado pelo juiz que acompanha o caso.
 
Entre as cidades do Alto Tietê, com 13 solicitações, Suzano liderava a lista de número de pedidos de falência em 2019, seguida de Mogi das Cruzes e Arujá, que haviam registrado nove pedidos cada uma. Itaquaquecetuba aparecia em seguida, com oito pedidos. Ferraz e Poá fecharam a lista com três pedidos cada uma.
 
Já em 2020, ano marcado pela descoberta da pandemia e o início de um ciclo de prejuízos para diversos setores, o número de pedidos de falência teve queda. Foram 16 pedidos de janeiro a dezembro do ano passado. Destaque para Mogi, que lidera a lista com seis pedidos, Ferraz vem atrás com cinco pedidos e Poá com dois. Suzano, Arujá e Itaquaquecetuba fecharam com um pedido cada uma.
 
De acordo com o presidente da OAB de Suzano, Wellington da Silva Santos, os números não retratam necessariamente a realidade, já que muitos empresários preferem não oficializar a falência do seu negócio.
 
"Essa queda não retrata a realidade. Olhando muitos estabelecimentos da malha central da região e nos bairros da cidade é evidente o número de encerramento de atividades. Só que esses encerramentos, muitas vezes, ocorrem de forma irregular. Muitos preferem não oficializar", explicou. Além do número de falência em queda, os dados do TJ-SP também mostram que o número de pedido de recuperação judicial caiu do ano retrasado para 2020. Em 2019 foram 36, contra apenas 14 em 2020. O número representa a queda de 61,11%.
 
A recuperação judicial ocorre antes da falência, quando o administrador da empresa solicita a reorganização econômica, administrativa e financeira do seu estabelecimento, feita com a intermediação da Justiça.
 
Em 2019 Suzano também liderou a lista de empresas em processo de recuperação judicial, foram 16, já em 2020, o número caiu para 6 pedidos. Mogi registrava no ano retrasado 12 pedidos, enquanto no ano passado o número caiu para apenas três.
 
De acordo com o Tribunal de Justiça, não constam ocorrências em Biritiba Mirim. As demais cidades não registraram dados suficientes para a comparação do período. A lista completa pode ser conferida na tabela ao lado.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias